De Bruges a Santa Maria da Soledade no Rio Grande do Sul

A história de Bárbara de Jonghe (1821 – 1911)

[artigo de autoria de Marc Storms, baseado em informações recebidas de Pedro Argenti, (bisneto de Barbara De Jonghe), Adair Oberger (trisneto de João Van Obergen) e Ludo Vandamme (Bruges) – publicação original no belgianclub.com.br]

Em 4 de maio de 1848, Barbara De Jonghe, de 27 anos, casou-se com o viúvo Seraphin Lamote. Ela veio de Maldegem, onde nasceu em 23 de janeiro de 1821. Ele alugou a pousada De Zorge, para onde a família se mudou. Eles tiveram uma filha, Maria Theresia Lamote, nascida em 7 de janeiro de 1850. Em 24 de fevereiro, logo após o nascimento de seu filho, Seraphin morreu. Para pagar os custos de herança, inclusive dos filhos do primeiro casamento de Seraphin, Bárbara teve que pedir dinheiro emprestado. Ela continuou a administrar a pousada. Em 30 de dezembro de 1850, ela se casou novamente com François Spelier (Moerkerke, 7 de julho de 1818), um carpinteiro. Eles tiveram dois filhos August (28 de julho de 1853) e Franciscus (17 de setembro de 1854). François Spelier faleceu em 18 de janeiro de 1855 e em 6 de novembro de 1856 Barbara De Jonghe casou-se pela terceira vez, agora com Petrus Vandenneste. Como Barbara, ele veio de Maldegem. Ele exerceu a profissão de fabricante de pás no galpão atrás da pousada “De Zorge”. Dessa relação também nasceu uma criança, Hypolite Vandenneste (27 de fevereiro de 1858). Em 6 de abril de 1858, a pousada com terreno adjacente e a casa para duas famílias foi vendida ao público.

fonte: Brugs Ommeland, 45 (2005), p. 83-96

No dia 16 de abril de 1858, Petrus Vandenneste, Barbara De Jonghe e seus 4 filhos sairam de Sint Kruis para Brugge. No 21 de abril de 1858 consta que viveram na Raamstraat.

Seus nomes (Petrus Vandenneste, Barbara (De Jonghe) – esposa, Maria (Theresia Lamote) – filho, Franciscus (Spellier) – filho, Auguste (Spellier) – filho, Hypolite (Vandenneste) – filho) aparecem na lista de bordo do vapor Commercio que partiu do porto de Rio Grande com destino Porto Alegre e lá chegou no dia 13 de juli de 1859. Sua nacionalidade foi declarada (errada) com ‘alemão’.

O nome de Petrus van den Neste aparece também no registro da Colônia Montravel / Santa Maria da Soledade entre outros no dia de 31 de dezembro de 1859.

No seu livro Une colonie au Brésil, publicado em 1862 em Antuérpia, de autoria da belga Madame Van Langendonck, a viúva Van Langendonck descreve sua viagem do porto de Antuérpia ao porto do Rio Grande e em seguida para Porto Alegre, onde ela chegou no dia 9 de julho de 1857. Ela seguiu viagem até Santa Maria de Soledade, onde seus dois filhos trabalhavam para o Conde Montravel, vice-cônsul da França. Leon era agrimensor. A autora menciona que lá viviam algumas famílias belgas.

Essa informação é confirmada nos “Relatorios dos Presidentes das Provincias Brasileiras : Imperio (RS) – 1830 a 1889”, em especial no relatório de 1861, que menciona que lá viviam doze belgas, nove deles já conhecidos: a família Vandenneste – De Jonghe, de seis pessoas e a senhora Van Langendonck com seus dois filhos. Detalhes dos outros belgas são bem-vindos.

Em 1870, terminou a colônia Montravel e o terreno voltou para ser administrado pelo império brasileiro. Assim nasceu a cidade São Vendelino.

Mapa de Montravel 
(provavelmento desenhado pelo filho da Senhora Van Langendonck)

O filho mais novo de Bárbara De Jonghe, João, foi batizado em 15 de novembro de 1862 na Capela de Bom Princípio, na Francesa Alta. A escritura afirma que ele nasceu em Arroio Francês, em 27 de setembro de 1862. O pai tem o mesmo nome do filho, seu sobrenome é Van Obergen, também escrito como Overgen. Isso indica que Petrus Vandenneste morreu entre 1859 e 1862.

Em 21 de outubro de 1874, Bárbara De Jonghe casou-se pela quinta e última vez, com João Soarez da Cruz, na Capela Nossa Senhora da Natividade do Arroio Francês. Bárbara não é mais mencionada no certidão como alemã, mas como “natural da Holanda”.

1875 é o ano de nascimento de Pedro Jacob Spelier, filho de August Spelier, natural de Bom Princípio / RS.

No mesmo ano, Franciscus Spelier também teve um filho na mesma aldeia: Felippe.

Em 1884 nasceu a filha de Hypolite Vandenneste, Bárbara Francisca, tendo Bárbara De Jonghe e João Soarez como madrinha e padrinho.

Em 1888 nasceu a filha de Maria Theresia Lamot: Catharina Pauwels. O pai é Pedro Jacob Pauwels, provavelmente belga. Hypolite Vandenneste é o padrinho.

Bárbara De Jonghe morreu em Roca Sales, no Rio Grande do Sul, em 1911. A certidão de óbito menciona seu nome como Bárbara Soarez, viúva de João Soarez, e sim, como ‘natural da Bélgica’. Ela morreu na casa de Pedro Jacob Pauwels (seu genro e marido de Maria Theresia Lamot) e o certificado menciona seus filhos vivos: Maria Theresia Lamot, Franciscus Spelier e João Van Obergen (aqui Hohenberger)

Hypolite Vandenneste morreu em 1903 e August Spelier em data desconhecida.

Barbara Francisca Vandenneste, filha de Hyppolite Vandenneste e neta de Barbara De Jonghe, (com filho no colo) e seu marido Giovanni Battista Argenti (também com filho no colo), de nacionalidade italiana, imigrante de Verona.
(foto do arquivo de Pedro Argenti)
Luiz Miguel (neto de Bárbara de Jonghe) e família