Mapas de colônias italianas e alemãs
no Rio Grande do Sul

Sobre

Este sítio permite a visualização geográfica de lotes coloniais ocupados por imigrantes alemães e italianos no Rio Grande do Sul. Atualmente, o banco de dados compreende 24.338 lotes. Para 15.210 destes lotes, a base de dados contém também informações sobre seus proprietários na época da imigração.

O conteúdo deste site é fruto do trabalho de Otávio Boni Licht (Doutor em Geologia, ex-aluno da UFRGS e genealogista nas horas que restam). Ele compilou e digitalizou mapas antigos das colônias alemãs e italianas do RS. O saudoso Frei Rovílio Costa foi um dos incentivadores e principais colaboradores, cedendo um mapa de integração das colônias italianas, originalmente publicado na Itália.

Foi um trabalho demorado, que exigiu digitalizar diretamente no monitor, o contorno de cada lote na posição geográfica mais precisa possível, já que a entrada eram mapas antigos. Depois disso, foram agregadas as informações do nome da colônia, linha ou travessão ou picada, zona e número a cada lote, por meio da digitação de livros e documentos com nomes de proprietários e outras informações.

A partir dos dados disponibilizados por Otávio Licht, foi construído um aplicativo de visualização dos dados sobre mapas Google Maps. Neste aplicativo trabalharam em diferentes épocas, Vinicius Rosa dos Santos, Douglas de Oliveira Lima, Priscila Azevedo Folle e Jean Carlo Emer, todos alunos do Bacharelado em Ciência da Computação da UFRGS, sob a orientação de Carlos A. Heuser.

Navegando nos mapas

Os dados contidos no banco de dados geográfico podem ser acessados de várias formas, usando o menu que aparece à esquerda nas páginas de mapas:

Como a exibição é feita com o Google Maps, todas facilidades deste serviço, podem ser usadas. Significa que é possível fazer zoom no mapa e também alternar entre exibição sobre o mapa e/ou sobre imagem de satélite.

Cabe observar que os mapas a partir dos quais foi feita a digitialização são muito antigos (a maioria do Século 19). Obviamente, nesta época a topografia usava ferramentas rudimentares e o seus resultados não eram muito precisos. Assim, não há uma prefeita correspondência das coordenadas exibidas sobre os mapas com as reais coordenadas.